Acesso Restrito a Associados:

Busca no site:
Compartilhe
Notícias

Doenças evitáveis ainda são desafio para o País

Data: 14/10/2014

Cerca de três mil pessoas morrem por dia, no mundo, vítimas de doenças evitáveis, como a malária, a leishmaniose visceral e a doença de Chagas. Causadas por agentes infecciosos ou parasitas, essas enfermidades atingem principalmente as populações mais pobres.


A Câmara dos Deputados analisa propostas relacionadas ao assunto. Uma delas (PL 6566/13), enviada pelo Senado, aguarda parecer do relator na Comissão de Seguridade Social, deputado Amauri Teixeira (PT-BA). O projeto assegura verba para pesquisa de medicamentos, vacinas e terapias de doenças raras ou negligenciadas pela indústria farmacêutica.


São doenças da pobreza, da falta de saneamento básico e de conhecimento, na visão do médico e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical Carlos Henrique Nery da Costa e do deputado Nilmário Miranda (PT-MG). As enfermidades em questão não podem, no entanto, ser chamadas de negligenciadas, eles dizem. O Brasil empreende esforços para erradicá-las, o que justifica a preferência do Governo em denominá-las evitáveis.


Apesar do esforço brasileiro, referência entre os países em desenvolvimento, o País ainda convive com um número significativo de casos de doenças evitáveis. Em 2013, o Ministério da Saúde registrou 179 mil notificações de malária, por exemplo.


Fortalecer as instituições públicas e unificar a forma de atuação dos governos federal, estaduais e municipais seria um primeiro passo para combater essas doenças, afirma Nery da Costa.


"O que falta hoje é isso: é a gente atender os brasileiros com dignidade e tratar a todos por igual. Não é possível mais que as elites controlem as instituições públicas e tratem as populações a que servem de forma diferenciada", diz o médico. Já Nilmário Miranda aposta em educação e mais campanhas, inclusive na televisão, para conscientizar a população dos perigos de doenças como hanseníase. A melhoria das condições de vida das pessoas é outro ponto importante, segundo ele.


"Em Minas, 30 anos atrás, Virgem da Lapa era a cidade brasileira campeã de Chagas. Hoje não tem mais. A melhoria na moradia foi fundamental para eliminar o barbeiro, que é hospedeiro da Chagas", conta o parlamentar.


A íntegra da proposta pode ser lida no site da Câmara: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/SAUDE/470437-PROJETO-ASSEGURA-RECURSOS-PARA-PESQUISA-DE-DOENCAS-RARAS-E-NEGLIGENCIADAS.html

 

 

(Fonte: Saúde Business 365 – 13/10/2014)



Enquete

Associados

ipd-farma
Av. Churchill, 129, Grupo 1101 – Centro - Rio de Janeiro - RJ - CEP 20020-050
Tel: (21) 3077-0800 - Fax: 3077-0812