Acesso Restrito a Associados:

Busca no site:
Compartilhe
Notícias

Brasileiros desenvolvem tecnologia capaz de reduzir tamanho de comprimidos

Data: 09/10/2019

Pesquisadores do interior de São Paulo desenvolveram uma tecnologia para reduzir o tamanho de comprimidos e facilitar a ingestão dos remédios.

 

Seu Hélio engasgou com um comprimido e foi parar no hospital. "Tomei com água, etc e tal e ele não descia, ficou parado aqui", conta o aposentado Hélio do Nascimento, de 79 anos.

 

O trabalho destes pesquisadores em parceria com a USP de Ribeirão Preto pode acabar com a dificuldade de pessoas, como o Seu Hélio, que não conseguem engolir comprimidos. Os farmacêuticos e médicos brasileiros desenvolveram a nanotecnologia para reduzir o tamanho de qualquer remédio. Em uma máquina, a molécula do princípio ativo - por exemplo, a vitamina C - passa por alta pressão e fica tão pequena que só dá para ver no microscópio. Aí pode ser misturada na água ou no suco. Não tem gosto, nem cheiro.

 

"Ele tem um tamanho de partícula bem pequenininho e nós conseguimos solubilizar ele na água e facilitar muito a ingestão por crianças, idosos e todos os tipos de pessoas que utilizam os nutrientes para prevenção de algum tipo de doença", explica o farmacêutico Gustavo Cadurim.

 

Cápsulas de ômega três, um óleo de peixe indicado para prevenção de doenças do coração e do cérebro, viram gotinhas. Isto vale para tudo, até para remédios injetáveis. Colírios podem ser borrifados sobre as pálpebras fechadas.

 

A faculdade de medicina da USP está testando uma pomada com o princípio ativo em tamanho nano no tratamento de doenças infecciosas da pele. "Esse remédio, quando aplicado na pele, é muito mais fácil de ser absorvido e de atingir as camadas mais profundas da pele. A gente está conseguindo redução de inflamação em mais de 80%", comemora José Carlos Alves Filho, pesquisador USP.

 

Um ponto-chave para o sucesso da pesquisa é que os cientistas brasileiros conseguiram "embalar" o princípio ativo dos remédios em uma membrana muito pequena, feita a partir de gema de ovo ou semente de girassol. Com isso, a absorção do remédio pelo corpo humano fica até dez vezes melhor do que quando a gente engole um comprimido.

 

"Porque o óleo, ele não se mistura no nosso meio, o nosso corpo é basicamente água, então quando a gente torna esses nutrientes mais solúveis em água a gente melhora a entrega e absorção desses nutrientes no nosso organismo”, conta Gustavo Cadurim.

 

Essa tecnologia acaba de receber a licença da Anvisa para produzir suplementos alimentares e cosméticos em versão nano. O processo de fabricação usa só produtos naturais. Com a tecnologia brasileira, os remédios em tamanho nano devem custar menos da metade do preço dos importados.

 

“A gente está alcançando o que existe de melhor lá fora e melhorando os nossos produtos, melhorando a qualidade de vida com um custo viável”, diz o administrador Guilherme Bernardi.

 

 

 

(Fonte: Jornal Nacional - 06/10/19)



Enquete

Associados

ipd-farma
Av. Churchill, 129, Grupo 1101 – Centro - Rio de Janeiro - RJ - CEP 20020-050
Tel: (21) 3077-0800 - Fax: 3077-0812