Acesso Restrito a Associados:

Busca no site:
Compartilhe
Notícias

Biofármacos são alvo de parcerias entre indústrias

Data: 06/11/2015

No ano passado, do total de medicamentos comprados pelo Ministério da Saúde, 88% foram de remédios de síntese química (como o ácido acetilsalicílico, por exemplo) e 12% de biofármacos. Esses últimos, porém, pesaram mais no orçamento: representaram 61% dos gastos. O motivo é que são drogas caras e importadas. Conhecidos como medicamentos biológicos, são fabricados a partir de células geneticamente modificadas ou de microorganismos, órgãos e tecidos de origem vegetal ou animal. Estão entre os mais modernos para tratar doenças como câncer, esclerose múltipla e artrite reumatoide.


Para economizar com os biofármacos e, ainda, estimular sua produção no País, o Ministério da Saúde procura acelerar as Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) nessa área. Para isso, os laboratórios privados e públicos se unem para transferir a tecnologia das drogas e fabricá-las no Brasil enquanto o Governo se compromete a comprar a produção pelo Sistema Único de Saúde (SUS).


Embora as primeiras PDPs para medicamentos tenham surgido em 2009, só há dois anos as parcerias para biofármacos começaram a tomar corpo, informa Eduardo Jorge Valadares Oliveira, diretor do departamento de Complexo Industrial e Inovação em Saúde do Ministério da Saúde. Os primeiros resultados já aparecem. "Até agora somamos R$ 2,4 bilhões de economia. A projeção é que esse número suba para R$ 5,3 bilhões quando todas as parcerias vigentes - e que estão em diferentes estágios de desenvolvimento - sejam concluídas", diz. Atualmente, 19 com laboratórios públicos e 50 privados participam das PDPs.


As parcerias podem evitar que o Brasil perca mais uma vez o bonde do desenvolvimento de medicamentos, como aconteceu na década de 1980 com diversos produtos farmoquímicos, adverte o presidente executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma) Nelson Mussolini. "Se tivéssemos feito parcerias como essas no passado, hoje teríamos farmoquímicos mais baratos", diz.


Na indústria de medicamentos, conforme explica, é preciso malhar o ferro quando ainda está quente. "Com os biológicos ainda dá tempo", avalia. A multinacional Merck Medicamentos assinou PDP para produzir no Brasil o Rebif (Betainterferona 1a subcutânea) para o tratar esclerose múltipla. Será produzido em parceria com o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fundação Oswaldo Cruz (Bio-Manguinhos/Fiocruz) e a Bionovis. Segundo estimativa da empresa, a economia para o Governo será de R$ 27 milhões em sete anos. A Merck também participa de PDP com a Bionovis na fabricação do adalimumabe, indicado para artrite reumatoide, artrite psoriática e doença de Crohn. É o medicamento de maior custo para o Governo - R$ 650 milhões por ano, informa Guilherme Maredei, presidente da Merck no Brasil.



(Fonte: Valor Econômico – 06/11/2015)



Enquete

Associados

ipd-farma
Av. Churchill, 129, Grupo 1101 – Centro - Rio de Janeiro - RJ - CEP 20020-050
Tel: (21) 3077-0800 - Fax: 3077-0812